Inflação da indústria sobe 4,78% em março e acumula recorde de 33,52% em 12 meses



Resultado de março foi o segundo maior da série histórica do indicador do IBGE, iniciada em 2014, ficando atrás somente da taxa de fevereiro, que foi revisada de 5,22% para 5,16%. Fábrica de papelão ondulado para embalagens no interior de São Paulo
Fabio Tito/G1
O Índice de Preços ao Produtor (IPP) ficou em 4,78% em março, segundo divulgou nesta terça-feira (4) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da segunda maior alta da série histórica do indicador, iniciada em 2014, ficando atrás somente da alta recorde de fevereiro, que foi revisada de 5,22% para 5,16%.
Com o resultado , a inflação da indústria acumula recordes de 14,09%, no trimestre, e de 33,52%, nos últimos 12 meses.
“Esse é o vigésimo aumento consecutivo, na comparação mês a mês do indicador, desde agosto de 2019′, destacou o IBGE.
Índice de Preços ao Produtor
Economia G1
O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”. Ou seja, sem impostos e frete, e abrange as grandes categorias econômicas: bens de capital, bens intermediários e bens de consumo (duráveis, semiduráveis e não duráveis).
Em março, pelo terceiro mês consecutivo, 23 das 24 atividades pesquisadas tiveram alta de preços.
As quatro maiores altas no mês foram nas atividades refino de petróleo e produtos de álcool (16,77%), outros produtos químicos (8,79%), madeira (7,73%) e papel e celulose (7,18%).
No acumulado no ano, as maiores altas são nas atividades extrativas (48,57%) e de refino de petróleo (3782%). Veja tabela abaixo:
Atividades da indústria com maior inflação no acumulado no ano
Divulgação/IBGE
Na análise entre as grandes categorias econômicas, a maior alta foi observada nos bens intermediários (5,70%), que inclui itens como diesel, minério de ferro e celulose, e nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis (4,27%), que inclui gasolina e carnes.
Em bens de consumo, a inflação foi de 3,63% em março. Em bens de capital, de 2,95%, e, em bens de consumo duráveis, de 0,45%.
Impacto do câmbio e alta das commodities
Segundo Alexandre Brandão, gerente de análise e metodologia da Coordenação de Indústria, a forte alta em março reflete também o impacto da depreciação do real frente ao dólar, que afeta tanto os preços dos produtos exportados pelo Brasil quanto os preços dos produtos importados, em particular das matérias primas. No caso do aumento de custo, isso gera um efeito em cascata em diversas cadeias industriais.
“Se aumenta o preço do óleo bruto de petróleo, aumentam os preços dos derivados; se a nafta sofre aumento, alguns produtos químicos que a utilizam como matéria prima também têm seus preços elevados e isso acaba impactando o setor de plásticos, que processa alguns desses produtos químicos. O mesmo é válido em relação ao preço do minério, que tem impacto na metalurgia e, num segundo momento, em indústrias como a automotiva ou a produtora de eletrodomésticos”, destacou.
Outro fator que contribuiu para a elevação de preços no mês foi o aumento da demanda internacional, especialmente da China, impactando o preço das commodities, sobretudo agrícolas.
“As commodities têm aumentado de preço porque o mercado internacional está pressionado pela demanda, em particular a exercida pela China por produtos da agroindústria, como os derivados da soja e as carnes, em particular bovina. Mas também há pressões sobre produtos siderúrgicos e de celulose”, afirmou Brandão.
Preços de alimentos
Em março, os preços do setor aceleraram para 2,41%, ante 1,22% em fevereiro e 1,49% em janeiro. É o maior resultado desde novembro (2,59%).
Com o resultado de março, o acumulado saiu de 2,73%, em fevereiro, para 5,21%. Já na comparação março de 2021 contra março de 2020, a variação foi de 31,49%.
Inflação em alta em 2021
Os economistas do mercado financeiro elevaram sua estimativa média para o IPCA – inflação oficial do país – em 2021, de 5,01% para 5,04%, segundo pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira. Pelo sistema atual, a inflação será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25% em 2021.
Já a projeção para para a taxa básica de juros (Selic) no fim de 2021 está em 5,50%. O mercado espera um novo aumento de 0,75 ponto percentual nesta semana. A decisão do Copom será anunciada na quarta-feira.
Confiança empresarial sobe em abril após 6 quedas consecutivas, aponta FGV
Source: Globo Economia