Dólar opera em queda, com Orçamento em foco



Na terça-feira, último pregão antes do feriado, a moeda norte-americana subiu 0,15%, vendida a R$ 5,5563. Notas de dólar
Reuters/Dado Ruvic
O dólar opera em queda nesta quinta-feira (22) pós-feriado, com os investidores de olho no Orçamento depois que o presidente Jair Bolsonaro sancionou na véspera o projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
Às 9h26, a moeda norte-americana caia 0,69%, vendida a R$ 5,5178. Veja mais cotações.
Na terça-feira, o dólar subiu 0,15%, vendido a R$ 5,5563. No mês, a queda acumulada é de 1,27%. No ano, o avanço é de 7,12%.
O Banco Central fará nesta sessão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em novembro de 2021 e abril de 2022.
Real é a moeda mais barata do mundo emergente e a que mais depreciou por Covid-19, calcula BofA
Cenário
O presidente Jair Bolsonaro sancionou na quarta-feira (21) a lei que autoriza o governo a abrir crédito para custear medidas de enfrentamento à pandemia sem indicar de onde virá o dinheiro para cobrir esses gastos.
A nova norma altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para liberar a abertura dos créditos extraordinários. A mudança é vista pela equipe econômica como necessária para a retomada dos programas de crédito a micro e pequenas empresas (Pronampe) e de redução de salário e jornada (BEm), adotados em 2020.
O Ministério da Economia informa que, com a aprovação do projeto de lei, destinará “nos próximos dias” até R$ 10 bilhões para o BEm e até R$ 5 bilhões para o Pronampe.
Na avaliação de técnicos do Congresso, a rápida publicação da nova lei é um “preparativo” para a sanção do Orçamento de 2021, que precisa acontecer até esta quinta.
Investidores globais seguem repercutindo a percepção de que o banco central dos Estados Unidos manterá estímulos por tempo indeterminado, enquanto a retomada econômica no mundo amplia a demanda por ativos mais arriscados, caso das moedas emergentes – grupo do qual o real faz parte.
Variação do dólar em 2021
Economia G1
Source: Globo Economia