Dólar mantém queda, negociado abaixo de R$ 5,65



Na segunda-feira (5), moeda norte-americana fechou em queda de 0,61%, cotada a R$ 5,6797. Nota de US$ 5 dólares
REUTERS/Thomas White
O dólar opera novamente em queda nesta terça-feira (5), com investidores voltados para o noticiário sobre o impasse do Orçamento no Brasil.
Às 9h23, a moeda norte-americana caía 0,59%, cotada a R$ 5,6462. Veja mais cotações.
Na segunda-feira, o dólar fechou em queda de 0,61%, a R$ 5,6797. Na parcial do mês, ainda tem tem alta de 0,93%. No ano, acumula avanço de 9,49%.
Cenário
No exterior, a perspectiva de recuperação forte da economia dos EUA e da China dava fôlego aos mercados. Na véspera, dados sobre o setor de serviços tanto nos EUA quanto na China reforçaram a percepção de que as duas maiores economias do mundo já estão em ritmo de forte crescimento, o que favorece sobretudo as empresas exportadoras, embora a vacinação lenta e o aumento preocupante de casos de Covid-19 na Europa permaneçam no radar.
Os preços do petróleo subiam acima de 1%, recuperando parte das perdas da sessão anterior.
Na Europa, a confiança do investidor da zona do euro sobe em abril para maior nível desde agosto de 2018.
Por aqui, as atenções seguem voltadas para a saúde das contas públicas e para ajustes no Orçamento 2021.
Orçamento 2021: governo e Congresso tentam acordo sobre corte de emendas
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na segunda-feira acreditar que não houve má-fé na aprovação do Orçamento 2021 pelo Congresso. Guedes também negou atritos com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e disse que o impasse ocorreu porque o texto foi negociado por um “time que nunca jogou junto”.
O orçamento foi aprovado no fim de março e vem sendo chamado de “peça de ficção”. O texto, que ainda não foi sancionado, subestimou despesas obrigatórias para reforçar emendas parlamentares, o que coloca em risco a execução dos gastos básicos do governo até o fim do ano.
Entenda a polêmica em torno do Orçamento 2021
Na agenda de indicadores, a Fundação Getúlio Vargas divulgou que o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) subiu 0,82% em março. Em 12 meses, a chamada inflação para famílias de baixa renda acumula alta de 6,63%.
Os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) no ano de 3,18% para 3,17%, segundo pesquisa Focus do Banco Central divulgada na véspera. Foi a quinta queda seguida do indicador. Para 2022, o mercado baixou de 2,34% para 2,33% a estimativa de expansão da economia brasileira.
A projeção do mercado para a inflação oficial do país em 2021 ficou estável em 4,81%. Já a expectativa para a taxa básica de juros no fim de 2021 permanece em 5% ao ano.
Variação do dólar em 2021
Economia G1
Source: Globo Economia