Após disparada em abril, preços dos medicamentos para hospitais têm 4º mês seguido de queda



Apesar do recuo, o IPM-H acumula alta de 8,49% em 2021 e de 9,15% nos últimos 12 meses. Hospital com estoque de medicamentos para atender pacientes com Covid-19
Divulgação
Os preços dos medicamentos aos hospitais no Brasil registraram queda de 1,31% em setembro, em relação a agosto — acumulando o quarto mês seguido de recuo, informou o Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H), realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pela Bionexo.
Apesar do recuo nos últimos quatro meses, o IPM-H acumula alta de 8,49% em 2021 e de 9,15% nos últimos 12 meses. Em abril, auge da segunda onda da Covid-19, o índice marcou uma alta de 10,53%.
IPCA: inflação oficial fica em 1,16% em setembro e atinge 10,25% em 12 meses
Comida, gasolina, conta de luz: por que está tudo tão caro no Brasil?
Com o aumento da incerteza e a consequente depreciação da moeda brasileira, o custo de aquisição de medicamentos, de insumos da indústria e de transporte de produtos também se tornou mais elevado, disse a Fipe.
O levamento mostrou que o resultado de setembro foi influenciado pela variação negativa registrada em medicamentos para: sistema nervoso (-5,69%), sangue e órgãos hematopoiéticos (-2,14%), imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (-2,06%), aparelho cardiovascular (-1,48%), agentes antineoplásicos (-0,69%), aparelho respiratório (-0,59%) e aparelho digestivo/metabolismo (-0,31%).
Em contraposição, os remédios que aumentaram de preço foram os destinados para: sistema hormornal (+2,67%), aparelho geniturinário (+0,93%), órgãos sensitivos (+0,66%), sistema musculoesquelético (+0,20%) e anti-infecciosos gerais (+0,01%).
Comparativamente, a variação mensal do IPM-H foi superada pelo comportamento do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) (-0,64%), pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) (+1,16%) e da taxa média de câmbio (+0,53%) no período.
Source: Globo Economia